quinta-feira, 14 de abril de 2016

Impeachment da presidente só é golpe para os partidários do PT

Acílio Lara Resende


PUBLICADO EM 14/04/16 - 03h00- O Tempo
12 O argumento de que o impeachment da presidente da República é golpe está restrito ao PT e, depois, ao PCdoB. Tudo indica que fracassou a estratégia eleita pelos que ainda sonham com a permanência deste governo até 2018. Restou-lhes, então, o desespero, como ficou provado no discurso de anteontem da presidente. 
 
O desespero, como se sabe, nasce no fígado. Ulysses Guimarães, o “Senhor das Diretas”, afirmava que “não se pode fazer política com o fígado, conservando o rancor e ressentimentos na geladeira. A pátria não é capanga de idiossincrasias pessoais”. 
 
Leitor: você já refletiu sobre qual será o relacionamento da presidente com seu vice se, por um milagre, ela vier a permanecer à frente dos destinos do país? Principalmente depois do que disse dele e mesmo levando em conta que Temer nunca passou de mero conciliador? Teríamos aí, com certeza, mais um fortíssimo elemento favorável à desestabilização e num momento complicado para qualquer governante. 

Apesar das opiniões em contrário, sobretudo de alguns intelectuais que merecem nosso respeito, o impeachment não é golpe, está previsto na Constituição e é, na verdade, a resposta aos terríveis desmandos e/ou equívocos cometidos pelo governo da presidente Dilma como um todo, mas, sobretudo, por ela, pessoalmente.
 
Dilma provou que não tem (nem nunca teve) condições de conduzir o Brasil numa crise como a que atravessa o país desde sua primeira vitória, em 2010. No início de seu segundo mandato, a presidente ainda tentou se distanciar do partido ao qual pertence e, para ser mais verdadeiro, até mesmo do ex-presidente Lula, seu “intimorato” criador, com vistas à faxina que na época inventou e chegou a botar em prática, mas que terminou, apenas, com a demissão de alguns de seus (ou de Lula?) péssimos ministros.
 
Se, por hipótese, Dilma continuar até 2018, você já imaginou, leitor, o que será do governo não dela, claro, mas do ex-presidente Lula, pois terá sido ele quem a segurou na Presidência e por isso teria, na prática (que, no caso, vale mais do que a teoria), seu terceiro mandato? Lula governaria de onde? Da Casa Civil, para cujo ministério Dilma o nomeou, ou de um simples quarto de hotel? Com pés e mão atados pela operação Lava Jato, com que forças Lula contaria? E as outras ameaças de pedidos de impeachment, como, por exemplo, o da OAB, que é tão ou mais consistente do que aquele a que responde agora?
 
E, enfim, leitor, apenas um necessário corretivo. 

Essa “história”, repetida tantas vezes, de que Dilma – “Coração Valente” – foi presa no regime militar porque defendia a democracia foi novamente defendida, ontem, por seu ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Isso, porém, não é verdade. A jovem contestadora de ontem lutava, na realidade, em favor da implantação de um regime totalitário. Eram totalitários os fundamentos dos movimentos a que pertenceu. Mas isso seria desculpável, leitor. Tratava-se de uma jovem idealista. Seria, se ela reconhecesse que um dia sonhou com um regime tão nefasto e cruel quanto aquele que foi imposto aos brasileiros durante 25 anos, mas que, mais tarde, dele em boa hora recuou. Só que Dilma nunca soube ser humilde. A soberba, às vezes, prefere a mentira.
 
O impeachment é remédio constitucional, já defendido pelo PT contra Fernando Collor. Mas, para valer, precisa respeitar a vontade do povo que o abraçou. O sucesso de um eventual governo Temer só se dará se ele compreender isso. Do contrário, cairá também. 

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog