terça-feira, 17 de maio de 2016

PT divulgará resolução com críticas ao governo Dilma e ao partido

autocrítica

Para os dirigentes da sigla, o PT não deu "a devida atenção" a partidos ligados à esquerda e "confiou na governabilidade institucional, a partir de alianças ao centro, como coluna vertebral para a sustentação do nosso projeto"

reunião da cúpula do pt
Cúpula do PT se reuniu nesta segunda (16)
PUBLICADO EM 17/05/16 - 11h50
Na primeira reunião após o afastamento de Dilma Rousseff, a cúpula do PT vai divulgar uma resolução nesta terça-feira (17) em que fará uma autocrítica e dirá que só é possível entender o impeachment se forem avaliados "os erros cometidos por nosso partido e nossos governos", principalmente relacionados à política de alianças e ao modelo econômico.
Segundo documento obtido pela reportagem e que ainda pode sofrer alterações, o governo Dilma cometeu "equívocos", o PT errou ao "relegar tarefas fundamentais como a reforma política, a reforma tributária progressiva e a democratização dos meios de comunicação" e a presidente afastada precisa "apresentar rapidamente um compromisso público" sobre o rumo de seu governo caso retome o cargo.
Para os dirigentes da sigla, o PT não deu "a devida atenção" a partidos ligados à esquerda e "confiou na governabilidade institucional, a partir de alianças ao centro, como coluna vertebral para a sustentação do nosso projeto".
"Apesar dos equívocos e dificuldades em dar continuidade ao processo de mudanças iniciado em 2003, a administração da presidenta Dilma Rousseff era obstáculo a ser removido de forma imediata e a qualquer custo, de tal sorte que um governo de transição pudesse dispor de tempo suficiente para aplicar o programa neoliberal antes que as urnas voltassem a se pronunciar", diz o documento elaborado pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, após reunião da executiva do partido, nesta segunda (16) em Brasília.
O partido classifica o impeachment de "golpe sem base legal", mas diz que o avanço desse movimento "só pode ser entendido" se for feita uma "autocrítica", rara entre os dirigentes petistas nos últimos anos. Para o PT, os erros políticos e econômicos, creditados na maior parte à administração de Dilma Rousseff, fizeram com que "a direita se fortalecesse".
"O avanço do movimento golpista, no entanto, somente poderá ser corretamente entendido se avaliarmos, de forma autocrítica, os erros cometidos por nosso partido e nossos governos. O fato é que não nos preparamos para o enfrentamento atual, ao perenizarmos o pacto pluriclassista que permitiu a vitória do ex-presidente Lula em 2002 e a consolidação de seu governo nos anos seguintes", diz o documento.
"Ao lado das falhas propriamente políticas, demoramos a perceber o progressivo esgotamento da política econômica vigente entre 2003 e 2010, que havia levado a formidáveis conquistas sociais para o povo brasileiro [...] O governo da presidenta Dilma Rousseff, em seu primeiro ano, optou por realizar um forte contingenciamento de despesas e investimentos, ao mesmo tempo em que elevava a taxa de juros", completa o texto.
Sem citar o mensalão nem o esquema de corrupção na Petrobras, em que vários quadros do partido foram presos ou são investigados, o PT diz no texto que "perdeu a capacidade de protagonismo" no campo político e que foi "contaminado" pelo "financiamento empresarial de campanhas, estrutura celular de como as classes dominantes se articulam com o Estado, formando suas próprias bancadas corporativas e controlando governos".
"Terminamos envolvidos em práticas dos partidos políticos tradicionais, o que claramente afetou negativamente nossa imagem e abriu flancos para ataques de aparatos judiciais controlados pela direita", diz o documento.
"A manutenção do sistema político e a preponderância excessiva da ação institucional acabaram por afetar fortemente o funcionamento do PT, confinado à função quase exclusiva de braço parlamentar dos governos petistas e reordenado como agremiação fundamentalmente eleitoral", completa o texto.
O PT diz ainda que a operação Lava Jato desempenha "papel crucial na escalada golpista". "[A operação] configurou-se paulatinamente em instrumento político para a guerra de desgaste contra dirigentes e governantes petistas", diz o texto.
Apesar das críticas ao governo Dilma, o documento termina com a avaliação de que é preciso manter o "campo da esquerda" mobilizado em defesa do mandato da presidente agora afastada e que "a palavra de ordem" será: "Não ao golpe, fora Temer".
Eleições municipais 
Além da resolução política, o PT deve divulgar ainda um documento à parte para nortear a política de aliança nas eleições municipais, priorizando os partidos políticos que apoiaram Dilma durante o processo de impeachment.
"Dado o conjunto de compromissos defendido pelo PT ao longo de suas administrações públicas, é indispensável o esforço de diálogo com os partidos do campo democrático-popular e estendê-lo, caso a caso, a setores e partidos que, mesmo fora deste espectro, defendam conosco pontos programáticos para as eleições municipais", diz o texto.
Ao final da reunião do diretório nacional petista, nesta terça-feira (17), em Brasília, os documentos serão divulgados e deve ser anunciado um novo encontro extraordinário do PT, em novembro.

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog