quinta-feira, 21 de julho de 2016

Carestia: Em 2000, pão custava R$ 0,05

Panfleto de supermercado mostra preços de vários produtos há 16 anos; quanta diferença...

0
Curiosidade. Panfleto de supermercado de 2000 causou alvoroço no Facebook por mostrar realidade de preços bem diferentes com a que vivemos hoje no país
PUBLICADO EM 21/07/16 - 03h00
Se você pegar um panfleto com ofertas do ano de 2000, possivelmente você vai se assustar ao comparar os preços daquele ano com os praticados hoje. É o caso do pão francês que teve alta de 980%. O anúncio em questão foi publicado no Facebook no último dia 12 e teve repercussão com 12 mil curtidas até essa quarta-feira (20), mais de 3.000 compartilhamentos e muitos comentários. Mesmo com efeitos monetários, e com a melhora do poder aquisitivo do brasileiro, a comparação com os preços de hoje é assustadora. A maioria dos produtos anunciados no panfleto, curiosamente, subiu mais que a inflação acumulada de janeiro de 2000 a junho deste ano, que foi de 195,34%. O creme de leite, por exemplo, ficou 263,5% mais caro. Já o achocolatado teve alta de 505%. (Veja gráfico ao lado).

Apesar dos números assustadores, o coordenador do curso de relações internacionais do Ibmec/BH e doutor em economia Reginaldo Nogueira, faz algumas ressalvas. “É preciso tomar cuidado com a ilusão monetária. Não basta olhar o valor nominal”, alerta. Ele ressalta que na análise é necessário considerar o salário ganho hoje e na época, além da inflação. “Os salários e a inflação estão em descompasso, que se tornou mais expressivo e, logo, mais evidente, a partir de 2015”, observa. No caso do salário mínimo, o valor pago em 2000 era R$ 151. Hoje, está em R$ 880, valorização de 482%.

Nesse período, descontada a inflação, o ganho real do salário mínimo foi de 291,32%. Embora a conta feche favorável para o mínimo, Nogueira ressalta que o problema é que os salários não estão acompanhando as altas recentes de preços. “O problema não é o mínimo. A renda de várias categorias vem reduzindo diante do cenário que temos hoje”, disse.

Salário

Ganho real tem perdido intensidade
O aumento real do salário mínimo vem perdendo intensidade nos últimos anos, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 11,28%, o aumento real do mínimo em janeiro deste ano foi de 0,36%. O resultado foi bem inferior ao de 2015, com ganho real de 2,46%. O ganho real recente mais expressivo foi em janeiro de 2012, com 7,59%.

Diante desse cenário, o coordenador do curso de administração da Newton, Leandro César da Silva, afirma que é necessário mudar os hábitos de consumo e pesquisar. (JG)

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog