sexta-feira, 22 de julho de 2016

"Se sobrevoar favelas mais de uma vez, vem tiro", diz piloto do esquema de segurança da Rio 2016

Tempo

No comando de helicópteros da Polícia Rodoviária Federal há 16 anos, Gilda Cardona diz que cidade exige cuidados redobrados de agentes, não só no trabalho, mas também na segurança pessoal

HUDSON CORRÊA- Época
21/07/2016 - 18h22 - Atualizado 21/07/2016 18h40
A policial federal Gilda Cardona, piloto de helicóptero da instituição. (Foto: Stéfano Martini/ Epoca)
A comandante Gilda Cardona pilota helicópteros da Polícia Rodoviária Federal (PRF) há 16 anos, tem mais de 3 mil horas de voo (perdeu a conta exata) e já foi alvo de tiros disparados por traficantes de drogas, quando sobrevoava o polígono da maconha no interior de Pernambuco. Paparicada pelos colegas marmanjos, Cardona é quase uma celebridade no esquema montado pela PRF para a segurança da Rio 2016. Ao menos cinco helicópteros participarão das missões de deslocamento de tropa, patrulhamento e resgate de vítimas de eventuais acidentes. A principal aeronave do esquema será um bimotor de 15 lugares, que ainda deve chegar ao Rio.
Polícia Federal prende célula do Estado Islâmico que planejava atentado na Olimpíada
Mesmo com tanta experiência, Gilda afirma que a operação nos Jogos exigirá a maior cautela, perícia e arrojo em toda a sua carreira, a começar pela segurança pessoal. “A gente aqui tem cuidado redobrado. Andamos sempre com coletes [à prova de balas] e mais carregadores [munição]. Para nossos deslocamentos, tomamos cuidado e atenção bem maiores”, diz Cardona, que mora em Brasília. Quando está à paisana, ela evita andar armada pelas ruas do Rio de Janeiro por causa do risco de assalto. Na capital fluminense, ladrões têm como regra matar policiais.
Esquema de segurança dos Jogos Olímpicos enfrenta “cobertor curto”

A prudência também é adotada durante os voos com os helicópteros da PRF. “Não vamos dar mais de um [giro] de 360 em cima de locais de alerta máximo, porque senão vem tiro”, afirma Cardona, referindo-se a sobrevoos em favelas cariocas ainda dominadas por traficantes armados com fuzis. Alguns deles têm até metralhadora antiaérea. Por isso, Cardona adotou a estratégia de sobrevoar as favelas apenas uma vez e sempre em velocidade e altitude maiores que o normal.
Para Olimpíada, Força Nacional terá reforço nos equipamentos
Nesta quinta-feira (21), ÉPOCA embarcou em um helicóptero Bell 407 da PRF. A aeronave partiu da sede da polícia, na Zona Norte da cidade, com destino ao Parque Olímpico, na Zona Oeste, palco de diversas competições dos Jogos da Rio 2016. Embora não houvesse muitas favelas no caminho, um inspetor viajou de porta aberta com o fuzil na mão.

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog