sexta-feira, 24 de junho de 2016

Combustíveis: Dificuldade para abastecer seguirá até segunda, mesmo com fim da greve

Greve dos transportadores terminou nesta quinta-feira (23), mas escassez nos postos ainda dura uns dias; em apenas três dias de paralisação, R$ 110 milhões deixaram de ser vendidos

PUBLICADO EM 24/06/16 - 03h00
A greve dos transportadores de combustíveis terminou nesta quinta-feira (23), mas a dificuldade para abastecer na região metropolitana de Belo Horizonte deve continuar até segunda-feira, segundo o diretor do sindicato dos postos (Minaspetro), Bráulio Chaves. O movimento começou na madrugada de terça-feira e, na tarde de quarta-feira já faltava combustível. As perdas foram muito além do inconveniente de não conseguir encher o tanque. Em apenas três dias de paralisação, cerca de R$ 110 milhões de etanol, gasolina e diesel deixaram de ser vendidos. A estimativa considera a média diária de litros comercializados e o preço médio em Minas Gerais, segundo dados da Agência Nacional de petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP).
“Centenas de postos foram fechados no Estado porque ficaram sem estoque. Vai voltar aos poucos, mas ainda demora até segunda-feira para normalizar totalmente”, afirma Chaves.
Ontem, os postos que ainda tinham algo para vender, ficaram lotados. O designer gráfico Thiago Nascimento Diniz foi a sete postos, em regiões diferentes de Belo Horizonte. “Quatro estavam fechados e os outros estavam com filas enormes”, conta ele, que só abasteceu na sétima tentativa.
Quando ainda tinham combustível para vender, a orientação dada aos clientes, na maioria dos postos era praticamente padrão. “Aproveita para encher o tanque, porque está acabando”, falavam os frentistas.
Alívio. Ontem, os tanqueiros se reuniram com representantes do Estado e das distribuidoras. “Com a abertura das negociações, a manutenção da greve não se faz necessária, evitando o desabastecimento e, consequentemente, prejuízos à população”, afirma a diretoria do Sinditanque.
O fim da greve dos tanqueiros foi um alívio para consumidores em geral e para todos os setores. Por meio de nota, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram) informou que já enfrentava sérias dificuldades manter a frota integralmente em circulação.
O presidente do Sindicato da União Brasileira de Caminhoneiros, José Natan, disse que com mais dois dias de greve, o abastecimento de todos os produtos estaria gravemente comprometido.

O que deixou de ser comercializado em 3 dias de paralisação

R$ 54,4 mi
Custo dos 18,2 milhões de litros de diesel não vendidos.

R$ 45,4 mi
Custo de 12,3 milhões de litros de gasolina não vendidos.
R$ 9 mi
Custo de 3,6 milhões de litros de etanol não vendidos.

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog