quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Sartori diz que governo do RS não vai tolerar 'qualquer ato de desobediência' Servidores da segurança pública protestam contra parcelamentos de salários.

04/08/2016 07h37 - Atualizado em 04/08/2016 08h37

Governador pede que população não deixe de ir para a rua nesta quinta (4).
Servidores da segurança pública protestam contra parcelamentos de salários.

Do G1 RS
O governo do Rio Grande do Sul mobilizou a cúpula de segurança e pediu à população que não deixe de ir para a rua nesta quinta-feira (4). "Confio na responsabilidade dos policiais na proteção dos 11 milhões de gaúchos", disse o governador José Ivo Sartori após reunir-se com os responsáveis pelos órgãos de segurança para tratar sobre providências para garantir a proteção da sociedade, na quarta-feira (3).
“Nós não vamos tolerar qualquer ato de desobediência ou desrespeito aos 11 milhões de gaúchos. É neles que nós precisamos pensar, especialmente nos mais humildes”, disse o governador.
Por meio de nota, Sartori já havia afirmado que a sociedade não pode ser prejudicada pelas mobilizações dos servidores. "Qualquer radicalização é inoportuna diante do interesse público, especialmente dos trabalhadores mais humildes. O Brasil já soma quase 12 milhões de desempregados", disse o documento.
Justiça reverte decisão, e autoriza abertura de agências bancárias
Uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região proferida na madrugada desta quinta-feira (4) autorizou a abertura das agência bancárias no Rio Grande do Sul. A medida reverteu uma decisão anterior, da noite de quarta-feira (3) que tinha determinado o fechamento dos bancos em um dia no qual sindicatos dos servidores da segurança organizam protestos contra o parcelamento salarial.
A decisão proferida pelo desembargador José Ferlin D'Ambroso determinou que as agências bancárias só devem ser fechadas caso a Brigada Militar confirme, de forma oficial, que não haverá policiamento nas ruas. Com isso, foi revertida a decisão de quarta, que determinou o fechamento dos bancos.
Na decisão da madrugada, o desembargador autorizou o funcionamento interno das agências ou postos bancários, independente do policiamento.
Servidores da segurança protestam
A quinta-feira (4) começou com a previsão de protestos e paralisações no Rio Grande do Sul, como represália ao parcelamento dos salários dos funcionários públicos estaduais. Servidores da área da segurança pública prometem realizar uma operação padrão, com paralisações entre as 6h e as 21h, e recomendação de que os servidores, e até a população, não deixassem suas casas.
Viaturas, Brigada Militar, amarradas, Alvorada (Foto: Josmar Leite/RBS TV)Viaturas foram amarradas por cordas em Alvorada
(Foto: Josmar Leite/RBS TV)
Viaturas da Brigada Militar passaram a noite no estacionamento na Arena do Grêmio. Informações extraoficiais apontam que policiais militares passaram a noite no local para driblar possíveis bloqueios de sindicalistas e familaires de PMs na frente dos quartéis.
Conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) todos os ônibus deixaram as garagens durante a manhã desta quinta.
Durante a madrugada, as delegacias registraram apenas ocorrências mais graves. Também só devem ser registradas prisões em flagrante ao longo do dia.
Por volta das 6h teve início a mobilização das entidades representativas dos policiais militares. Um grupo se organizava em frente ao 9ºBPM, na região central de Porto Alegre, na tentativa de impedir a entrada  e a saída de policiais. Segundo eles, cerca de 30 piquetes foram organizados em todo o estado.
Viaturas passaram a noite na Arena do Grêmio (Foto: Jormar Leite/RBSTV)Viaturas passaram a noite na Arena do Grêmio
para evitar bloqueios em frente a quartéis
(Foto: Jormar Leite/RBSTV)
Em meio à paralisação, um protesto deverá ser realizado desde o início do dia em frente ao Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre. Servidores de todas as categorias deverão se concentrar no local e solicitar uma reunião com o governador José Ivo Sartori.
No final do mês passado, o governo anunciou que os servidores receberiam os salários parcelados pelo sexto mês consecutivo, recebendo apenas R$ 650 no dia 29 de julho. No dia do pagamento, já durante a noite, foi depositado um acréscimo de R$ 330, e outros R$ 800 foram acrescidos nesta quarta (3). O salário dos servidores chegou a R$ R$ 1.780 líquidos.
Confira abaixo quais serviços deverão ser afetados:
Segurança pública
As entidades que representam servidores da segurança pública planejam uma operação padrão, que se estenderá até a data da integralização dos salários dos servidores, o que o governo prevê para o dia 19. A Associação Beneficente Antonio Mendes Filho (Abamf), que representa cabos e soldados da Brigada Militar, pede que a população não saia às ruas. Está prevista uma paralisação de 15 horas, entre as 6h e as 21h.
"Chamamos a atenção da sociedade gaúcha para que durante esse dia evite sair às ruas, abrir o comércio, levar seus filhos à escola, bem como orientamos a suspensão do transporte público, frente a absoluta falta de segurança que deverá imperar nesse dia", diz comunicado da entidade.
Policiais civis decidiram adotar uma postura semelhante. O Ugeirm-Sindicato, que representa escrivães, inspetores e investigadores, orientou a categoria a manter apenas 30% dos servidores nas delegacias.
O Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sinpol-RS) convocou uma paralisação das 6h às 21h. Neste horário, não deverá haver circulação de viaturas, cumprimentos de mandados de prisão e outros serviços de polícia judiciária. Prisões devem ocorrer apenas em flagrante ou em casos mais graves.
Já os delegados de polícia iniciaram à meia-noite a paralisação, que deve se estender até as 21h. Apenas casos graves como com violência ou grave ameaça serão atendidos.
A Associação dos Oficiais da Brigada Militar (ASOFBM) anunciou 12 medidas em represália ao parcelamento dos salários. Entre elas estão a suspensão de operações, a verificação da situação das viaturas, para que os veículos sem condições não saiam às ruas; a exigência de adiantamento de diárias para viagens e a recomendação de desativar estações de bombeiros com três militares de serviço por turno.
Educação
As escolas particulares funcionarão normalmente, e parte delas garante que não haverá prejuízo para os alunos que não puderem ir às aulas. Em relação às instituições públicas, a orientação da Secretaria Estadual da Educação é que sigam em funcionamento, e evitem reduzir os turnos.
No entanto, a falta de segurança levou algumas escolas de Porto Alegre a contrariarem a pasta estadual e suspenderam as aulas: Protásio Alves, Júlio de Castilhos, Paula Soares, Açorianos, Prudente de Moraes, Gomes Carneiro, Marechal Mallet e Rubem Berta.
Além disso, professores da rede pública estadual de Canoas, Gravataí, Guaíba, Taquara e São Leopoldo, além da capital, deverão participar do protesto em frente ao Palácio Piratini a partir das 8h. Em Canoas, na Região Metropolitana, a prefeitura decidiu suspender as aulas nas escolas municipais.
As principais universidades da Região Metropolitana deverão funcionar normalmente. Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), entretanto, alguns professores combinaram diretamente com alunos de não comparecerem às aulas.
Transporte
A Carris, empresa de ônibus da capital, informou que as viagens serão mantidas. O Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre planeja trabalhar normalmente, mas informou que realizaria vigílias a partir da 1h em garagens de empresas. Bloqueios seriam realizados apenas se houvesse problemas de segurança.
O Sindicato dos Metroviários garante que o Trensurb vai funcionar normalmente. A Metroplan, responsável pelo transporte entre cidades da Região Metropolitana, também garantiu operação normal nos ônibus e informou que o policiamento será reforçado nos terminais. Em Porto Alegre, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) disse não ter previsão de paralisação.
Prefeituras
A Prefeitura de Porto Alegre anunciou que todos os serviços serão normais, incluindo as escolas municipais e as unidades de saúde. A mesma postura foi adotada pela Associação dos Municípios do Vale do Rio do Sinos (AMVRS), que abrange as prefeituras de Araricá, Campo Bom, Dois Irmãos, Estância Velha, Ivoti, Lindolfo Collor, Morro Reuter, Nova Hartz, Novo Hamburgo, Presidente Lucena, São Leopoldo e Sapiranga.
Já a Prefeitura de Canoas suspendeu as folgas dos guardas municipais, que auxiliarão no policiamento das ruas, e dobrou o número de vigilantes privados armados em locais de circulação pública. Seguranças serão posicionados nas 27 Unidades Básicas de Saúde do município.
A prefeitura ainda suspendeu as aulas em escolas municipais, ampliou o número de operadores de câmeras de monitoramento do Comando e Controle de Canoas (CICC) e disponibilizou o WhatsApp 51 9240.1032 para esclarecer sobre possíveis boatos que podem surgir.
Em Pelotas, no Sul do estado, a prefeitura determinou que guardas municipais circulem pelo perímetro central da cidade. "Desde cedo os guardas municipais vão estar no Calçadão, nas praças e nas paradas de ônibus, onde há circulação maior de pessoas. A intenção é aumentar a sensação de segurança da população”, explica o chefe da Guarda Municipal pelotense, Ladislau Neto.
Bares e Restaurantes
O Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região (SINDHA) orienta os proprietários de bares e restaurantes a abrirem normalmente, mas destaca que a decisão é de cada empresa. A entidade critica ações que possam ameaçar a segurança da população.
Comércio
O Sindicato dos Lojistas do Comércio de Porto Alegre (Sindilojas) também orienta os comerciantes a abrirem normalmente os estabelecimentos. A entidade promete monitorar os acontecimentos para auxiliar os lojistas e acionar a polícia quando for necessário, e também critica ações que possam prejudicar a sociedade.
Judiciário
O Tribunal de Justiça e os Foros da Justiça Estadual terão funcionamento normal.

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog