terça-feira, 14 de junho de 2016

AR-15: o fuzil dos ataques a tiros nos EUA

O modelo do fuzil que Omar Mateen levou ao atentado em uma boate de Orlando no final de semana já foi usado por atiradores em outros massacres

- Atualizado em
Fuzil AR-15
Fuzil AR-15(VEJA.com/Divulgação)
Na madrugada do último domingo, o americano descendente de afegãos Omar Mateen, de 29 anos, abriu fogo contra cerca de 100 frequentadores de uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos. O pior massacre a tiros e o maior atentado nos EUA desde o trágico 11 de setembro de 2001 deixou 49 mortos e mais de 50 feridos.
Morto pela polícia, o atirador, que trabalhava como segurança na Flórida, tinha porte de arma e promoveu o massacre na boate Pulse portando um fuzil AR-15 e uma pistola semi-automática 9mm, ambas compradas legalmente dias antes do atentado.
Não foi a primeira vez que um fuzil AR-15 foi usado por um atirador em massacres desse tipo, reportou o jornal Miami Herald. E, embora se trate de uma arma com alto poder de fogo, não é difícil comprá-la. "Ele não tinha nenhum impedimento legal, portanto podia entrar em uma loja de armas e adquirir armas de fogo. E assim ele o fez na última semana", disse à publicação americana Trevor Velinor, agente do Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos dos Estados Unidos.
Publicidade
Leia também:
Vítima do ataque em Orlando registrou início dos disparos no Snapchat
FBI diz que atirador de Orlando alegou ter ligações com EI, Al Qaeda e Hezbollah
Obama: Caso de Orlando foi "extremismo doméstico" motivado por propaganda on-line
O AR-15 é uma variação civil do M16, fuzil militar do Exército americano. É leve, fácil de manusear e pode disparar um grande volume de munição com boa precisão a uma distância de cerca de 450 metros. No modelo padrão, esse tipo de fuzil dispara 30 tiros entre uma recarga e outra, mas há pentes capazes de armazenar até 100 cartuchos. A polícia ainda não divulgou qual era a capacidade da arma de Mateen nem quantas vezes o atirador recarregou as armas durante as três horas em que manteve como reféns os frequentadores da boate Pulse.
O 'fuzil mais popular da América' esteve presente em grandes massacres a tiros em escolas americanas e em San Bernardino, quando, em dezembro do ano passado, um casal matou 14 pessoas em um centro de assistência social. Estima-se que existam entre 8 milhões e 10 milhões de fuzis AR-15 em circulação nos Estados Unidos atualmente.
Um modelo padrão pode custar entre 600 e 1.200 dólares (de 2.000 a 4.000 reais), segundo o Miami Herald. Em geral, os modelos vendidos nos EUA são semiautomáticos, o que significa que a cada acionamento do gatilho, uma única bala é disparada - o que não impede que o atirador faça muitos disparos em um curto período de tempo. É possível modificar ilegalmente a arma para transformá-la em um fuzil de assalto, o que significa que basta deixar o gatilho pressionado para disparar continuamente, de acordo com o jornal Washington Post.
Por enquanto, ainda não se sabe os detalhes da arma de Mateen, mas as autoridades dos Estados Unidos estão investigando se alguém ajudou o atirador, fornecendo treinamento, por exemplo, ou se ele agiu sozinho. Embora o grupo extremista Estado Islâmico tenha assumido a autoria da ação, isso não significa que necessariamente tenha dirigido o ataque: nada em sua declaração indica uma coordenação entre o atirador e o EI antes do ataque.
(Da redação)

Nenhum comentário:

Loading...

Arquivo do blog